Grupo Maternar-se: para relações mais saudáveis
 

Quando: 3 encontros - 10/11 - 17/11 -  24/11 (20h às 22h)
Valor: 60 euros (Inscrição será confirmada mediante pagamento)
Formas de pagamento: MBway (+351 938 846 755)
Transferência IBAN: PT50 0035 0689 00013866630 88
Dúvidas: geral@clinicasamauma.com

Porquê um trabalho com mulheres? E porquê um trabalho em grupo?

Porque a maioria das mulheres enfrenta problemas comuns entre si, dores semelhantes – ao longo da minha experiência clinica, tenho escutado  muitas mulheres que, talvez como você, se queixam de cansaço, falta de tempo de qualidade e de autocuidado, relações onde só dão e pouco recebem, falta de paciência e de disponibilidade emocional para a família, sentimento de culpa por se sentirem más mães/esposas/filhas, ansiedade, excesso de responsabilidades, depressão, dificuldade em colocar limites e fazer valer as suas necessidades nas suas relações,… não é assim que se sente muitas vezes?

Da mesma maneira que as mulheres partilham entre si as mesmas dores, também muitas delas aspiram sonhos comuns: mais tempo de qualidade com a família ou amigos, relações mais saudáveis e recíprocas, ter uma melhor autoestima e tempo para o autocuidado, sentirem mais segurança e assertividade nas suas relações, ter uma vida mais leve, alegre e conectada consigo mesma, com a sua essência, com seu propósito.

Então, acredito na força que um trabalho com todas estas mulheres juntas pode ter!

Em grupo, poderemos falar e escutar sem julgamento, poderemos partilhar a nossa história e de uma forma mais leve, mais amparada e acompanhada; poderemos validar e sentir-nos validadas em tantas questões comuns; poderemos ver a força umas das outras, cuidar umas das outras através da nossa escuta e poderemos juntas encontrar novos caminhos e soluções para questões que temos dificuldade de resolver sozinhas.

Ouvindo as histórias de outras mulheres, nós escutamos também a nossa própria história. Porque cada mulher carrega em si partes da sua história iguais à nossa história.

Escutando umas às outras, vemos e somos vistas, honramos a história de cada uma e reconhecemos as forcas de cada uma e isso é algo muito forte, porque as mulheres se sentem pouco vistas.

Falando e escutando a gente se escuta também. E é preciso que a gente abra espaço pra se escutar; muitas de nós reclamamos que não somos escutadas, mas a verdade é que a gente não se escuta! É preciso que a gente abra espaços para isso. É preciso que sejamos as primeiras a nos dar o que queremos receber!

Talvez num primeiro momento, ao ler esta proposta, você ache estranho e se retraia perante a possibilidade de se “expor” num grupo; talvez você ache que nunca participaria de um grupo deste tipo ou que prefere um acompanhamento terapêutico individual.

Mas pense bem: qual o tempo que você tem tido para si no seu dia a dia? Não será uma coisa boa participar de um grupo onde você se sente vista, acolhida, pertencente e acompanhada? Porque participamos de tantos outros grupos (grupos de yoga, dança, ginásio, religiosos,…) e hesitamos participar de um grupo nutridor e acolhedor dos nossos desafios emocionais, com outras mulheres que passam pelo mesmo e estão ali com a mesma disponibilidade de se olhar e conectar consigo mesmas? São questões que eu acredito que devemos nos fazer, caso sinta uma vontade e uma hesitação ao mesmo tempo.

 

Para quem já faz terapia individual, o grupo servirá para acelerar a mobilização de tantas questões e temas internos que poderá depois aprofundar no processo terapêutico individual.

Para quem não faz ou nunca fez terapia individual, o grupo servirá para gradualmente ir entrando neste caminho tão profundo e necessário que é o autoconhecimento e o alívio das dores emocionais, com a vantagem de o poder fazer acompanhada de outras mulheres e com menor investimento do que um processo terapêutico individual.

A que mulheres se destina?

Para mulheres que querem, de facto, ter relações mais profundas, autênticas, verdadeiras e saudáveis, começando por ter uma melhor relação consigo mesmas.

Para mulheres que querem ter mais confiança, paz e amor dentro de si.

Para mulheres que querem gerir e regular as suas emoções, aliviar o stress, a ansiedade e a insatisfação geral.

Para mulheres que querem se reaproximar de quem realmente são, da sua missão e propósito.

Para mulheres terapeutas que querem desenvolver com os seus clientes relações terapêuticas mais profundas e eficazes - só podemos caminhar com os nossos clientes pelos caminhos que já trilhámos dentro de nós.

Porque é um grupo terapêutico?

Porque conduzirei o grupo a partir do meu lugar de terapeuta/psicóloga e, embora não seja terapia, as mulheres sentir-se-ão melhor depois de cada sessão.

O grupo por si só já pode ser muito curador. Mas, além da escuta e das intervenções terapêuticas, também conduzirei vivências que poderão impactá-la de uma forma muito profunda e poderosa no seu processo individual.

Porquê Online?

Porque através do modelo online, acredito que podemos chegar a muito mais mulheres, sem barreiras físicas. Porque o modelo online permite que estejamos confortavelmente nas nossas casas, em qualquer lugar, ao mesmo tempo que mergulhamos dentro de nós neste encontro connosco mesmas e com tantas outras mulheres.

 

De que temas falaremos?

Os temas serão alinhados em 3 grandes eixos – 3 grandes eixos que vejo como fundamentais em qualquer processo terapêutico:

Eixo 1: Reconexão - consigo mesma

Nos primeiros encontros iremos olhar para si mesma.

Neste eixo olharemos para quem somos, nossas forças, dores e potenciais; olharemos a criança e jovem que fomos, a mulher e todas as partes que, por várias razões, poderão estar perdidas ou esquecidas em nós – nessas partes revemos necessidades e cuidaremos do que faltou. Também neste eixo poderemos refletir sobre a nossa relação com o corpo e autoimagem, autocuidado e autoestima. Poderemos olhar para a forma como comunicamos connosco mesmas (crítica ou gentil?) e com os outros (de que forma comunico os limites e necessidades?).

Este é um eixo central, pois ele pretende resgatar a relação consigo mesma, reconectar-se com quem você é. Busca olhar para dentro de si.

Muitas pessoas chegam ao consultório infelizes com as suas vidas, com os seus trabalhos, insatisfeitas com as suas relações; sobrecarregadas com tantas exigências externas e desvalorizando o peso das suas emoções e necessidades internas; muitas pessoas chegam à consulta em estados limite de ansiedade e depressão – tudo isto porque se perderam de si mesmas e precisam deste trabalho profundo e necessário de fazer o caminho de volta para quem são; é preciso cuidar da relação connosco mesmas, porque as nossas relações externas SEMPRE espelham a relação interna, que temos connosco mesmas. O trabalho neste primeiro eixo pode já aliviar muita ansiedade acumulada.

Eixo 2: Reconciliação

Com a nossa origem, com os nossos pais e com a nossa história.

Neste eixo olharemos para a luz e sombra das nossas relações primárias mais importantes: a relação com a nossa mãe, com a origem e com as mulheres que vieram antes de nós; e a relação com o nosso pai, com os homens e com o masculino na nossa história.

Nenhuma relação é mais importante e urgente de ser cuidada dentro de nós do que a relação que temos com os nossos pais (mesmo que não tenhamos mais contato com eles hoje!); eles moldam em grande parte a visão que construímos de nós mesmos, dos outros e do mundo, e isso interfere diretamente sobre o nosso presente e futuro, sobre a relação connosco e com os outros.

Todo o processo psicoterapêutico olha, em alguma medida, para como foi e é a relação com os pais; e independentemente de como é ou foi, importa que dentro de nós encontremos paz interior em relação a eles, já que disso depende o nosso bem estar emocional e a qualidade da relação com os outros.

Eixo 3: Relação - com os outros.

No eixo da relação com os outros, vamos cuidar de algo tão importante e determinante nas nossas relações que é a nossa capacidade de comunicar de forma conectiva e empática, vamos aprender a limpar a nossa escuta e estar de facto presente nas relações. Vamos rever a nossa postura perante outras pessoas, parceiros, figuras de autoridade, filhos, e perceber de que modo ela pode ser atualizada e limpa das marcas do passado. Vamos rever de que forma as nossas relações poderão respeitar os nossos valores, limites e necessidades.

Se olhar para estes temas lhe faz sentido, dê-se este tempo, este momento para si mesma. Lembrando que quando cuida de si, cuida de todos à sua volta. Quando melhora a relação consigo mesma, melhora a relação com todos os outros à sua volta. Para se sentir forte e segura na vida, precisa de ser a primeira a olhar e reconhecer a sua força.

Eu disponibilizo este espaço de escuta, de vivência, pra que a gente cresça. Cada uma de nós tem um passo a mais a dar neste momento e eu quero estar junto com você nesse passo a mais. Caminhando juntas para relações mais saudáveis!