Resgatar a autoestima

A autoestima é o que se sente com relação a si mesmo. Como o nome já diz, é a estima, o apreço, a admiração que a pessoa tem por si.


Durante a sua vida, a pessoa recebe e constrói uma série de conceitos e percepções sobre si. Dependendo de como lida com essas informações, elas podem impactar tanto positiva como negativamente a visão que a pessoa tem sobre si e, consequentemente, aumentar ou diminuir a sua autoestima.


A autoestima, também conhecida como amor-próprio, impacta diretamente todas as esferas da vida, as relações sociais, o equilíbrio emocional e a forma como a pessoa se posiciona no mundo. Por isso, é tão importante que ela esteja sempre bem fortalecida.


A autoestima começa a ser construída na infância e vai sendo alimentada na adolescência e idade adulta. Assim, como pode ser aumentada com pensamentos e comportamentos positivos, ela pode ser minada e destruída com uma postura negativa.


A história de vida da pessoa pode influenciar a sua percepção de si e, consequentemente, a sua autoestima. Por isso, se a pessoa tem um histórico negativo é importante trabalhar as feridas emocionais e não alimentar o ciclo destrutivo.


As consequências de ter baixa autoestima são bastante nocivas para todas as esferas da vida da pessoa. A insegurança e o sentimento de inferioridade fazem com que ela não se sinta capaz de assumir desafios, o que impacta o seu crescimento pessoal. A pessoa também passa a evitar os relacionamentos amorosos, ou se mantém em relações nada saudáveis por medo da rejeição. As demais interações sociais também são afetadas, o que leva ao isolamento.


A baixa autoestima pode ainda ser porta de entrada para perturbações psicológicas, como depressão, ansiedade, traumas, distúrbios alimentares, o que pode levar a pessoa a procurar válvulas de escape para amenizar o sofrimento, como o alcoolismo, uso de drogas e comportamentos destrutivos.


Um complicador para reverter um quadro de baixa autoestima é que a pessoa está tão imersa nas suas crenças negativas e desamor que dificilmente nota como interpreta de forma distorcida as suas vivências. A boa notícia é que autoestima pode ser, sim, resgatada e trabalhada, redirecionando a visão distorcida que a pessoa tem sobre si.


Um psicólogo pode ajudar a resgatar e a fortalecer a sua autoestima. Trata-se de um processo baseado, principalmente, no autoconhecimento, investigando os fatores causadores da visão distorcida que tem sobre si e trabalhando-os para romper esse ciclo nocivo. As sessões de psicoterapia ajudam ainda no reconhecimento da verdadeira essência, descoberta e aceitação das potencialidades e na aplicação de técnicas para que a pessoa possa diariamente alimentar a sua autoestima.


O primeiro passo está em reconhecer a necessidade da mudança e compreender os aspectos negativos da baixa autoestima nas mais diferentes esferas da vida. Se ainda não conhece um psicólogo para o ajudar nesse processo de ressignificação, contacte-nos! Temos profissionais especializados que estão preparados para atuar com a abordagem mais adequada, considerando o seu perfil e necessidades.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo