Diana Meira
Psicóloga

Psicóloga, com Mestrado Integrado em Psicologia Clínica, pelo ISPA - Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, membro Efetivo da OPP e detentora do Certificado Europeu de Psicologia – EuroPsy, com formação avançada em Intervenção Psicológica no Luto.

Detém experiência clínica na intervenção psicológica junto de crianças, jovens e adultos no âmbito de diferentes necessidades, entre elas, ansiedade, depressão, trauma, luto, problemas comportamentais, relacionais, sociais, compulsões alimentares, dependências e perturbações da personalidade.

O seu percurso profissional conta com colaborações em contexto escolar e comunitário. Atualmente, trabalha em contexto clínico privado e comunitário, pois considera que o apoio na manutenção e promoção de saúde mental deve ser acessível a todos.

Acredita que a promoção do bem-estar psicológico beneficia de uma intervenção multidisciplinar, procurando, ao longo da sua prática clínica, articular com diferentes entidades e especialidades.

Para uma intervenção mais consciente junto de quem procura o seu apoio, tem vindo a investir na sua formação profissional e no seu autoconhecimento.

Acreditando que é no encontro com o outro, na relação, que reside a motivação fundamental para o desenvolvimento humano, guia a sua prática pela corrente psicanalítica relacional. Este modelo compreende uma atitude terapêutica mais vivencial, não só atenta aos vínculos mais precoces, como também à influência dos contextos externos no mundo interno da pessoa. Seguindo esta abordagem, o processo terapêutico é feito a dois, para que a pessoa que procura apoio consiga alcançar um sentido de si mais sólido, maior autonomia e fruição da vida.

Considerando que, ao longo da vida, enfrentamos diferentes perdas (não só por morte, mas também de elos familiares, amorosos, sociais e profissionais), a psicóloga realizou, mais recentemente, formação avançada em Intervenção Psicológica no Luto. Através de uma co-construção terapêutica pretende-se que a pessoa elabore as perdas mais precoces e significativas, de modo a consolidar a sua capacidade de resiliência e enfrentar perdas e desafios futuros de forma mais saudável e adaptativa.